We use cookies (ours and those of third-party providers, e.g. Google Analytics) to simplify the use of our web pages and adjust the content more closely to your interests. Simply continuing to use our web pages sets only those cookies that are required for technical reasons; acceptance means that all cookies (including marketing cookies) will be set. Your consent is voluntary, and can be withdrawn at any time with future effect.

For further information, see our data protection statement.

Aceitar

Experimento de suplememntação na engorda de touros

A Universidade de Osnabrück – HS Osnabrück prova as vantagens do SHREDLAGE® na engorda de touros

Em um experimento de suplementação, a HS Osnabrück pode comprovar as vantagens claras da suplementação com a tecnologia SHREDLAGE® na engorda de touros. Os resultados já estão disponíveis para divulgação.

Desde a introdução da tecnologia SHREDLAGE® na Europa em 2015 (em 2010 na América do Norte), o processamento intensivo do Corncracker MCC SHREDLAGE®, combinado com comprimentos de corte de 26 a 30 mm, convenceu muitos produtores de leite. A tecnologia resulta numa silagem de milho com uma alta proporção de partículas grossas do resto da planta e esmagamento completo e intenso dos grãos de milho. Na alimentação de ruminantes, o uso de SHREDLAGE® promete um melhor efeito estrutural e digestibilidade em comparação com a silagem convencional de milho de corte curto. A possibilidade de o experimento também mostrar na engorda de touros, esses e outros efeitos positivos em relação ao desempenho de engorda, saúde animal e ao valor de carcaça, foi examinada pela primeira vez na Alemanha em uma estação em Münster-Amelsbüren.

 

Experimento de suplementação ao longo de 243 dias

Como parte de um experimento de suplementação de 243 dias no HS Osnabrück (Prof. Dr. Heiner Westendarp, Prof. Dr. Hubert Korte, Laura Bunk, Kilian Fenske), foi examinado como a suplementação com SHREDLAGE® em comparação com a silagem de milho convencional afeta a ingestão de alimento, o ganho de peso diário, a qualidade das fezes (digestibilidade), o pH ruminal e o rendimento de carcaça em touros de engorda. Além disso, foram realizadas leituras de compressibilidade e reaquecimento das superfícies de corte de ambas as silagens de milho.

O milho foi colhido no início de setembro de 2019 com duas plataformas de corte. Para a silagem convencional de milho foi usado um CLAAS JAGUAR 970 estrangulado, com o MULTI CROP CRACKER (MCC) Classic L com uma diferença de velocidade de 30% e um comprimento teórico de corte de 8 mm. O SHREDLAGE® foi colhido com um CLAAS JAGUAR 950 com o corncracker MCC SHREDLAGE® a uma diferença de velocidade de 50% e um comprimento de corte regulado para 26 mm. O material picado foi armazenado em um silo trincheira convencional, com um lado do silo preenchido com silagem de milho de corte curto e o outro lado com SHREDLAGE®. Dois CLAAS XERION assumiram a distribuição e compactação. A silagem de milho de corte curto foi compactada com peso total de 18 t e a SHREDLAGE®, com comprimentos de corte maiores e seguindo as recomendações da CLAAS, foi compactada com um veículo mais pesado de 22 t.

Mais saúde animal e mais benefícios monetários

Após um período de ensilagem de 11 semanas, a silagem foi fornecida a 72 touros Fleckvieh. Seu peso vivo era em média 382 kg no início do experimento. Após ser dividido em dois grupos, o grupo teste recebeu TMR (Total Mixed Ration – Ração Mista Total) com SHREDLAGE® sem palha e o grupo de controle recebeu TMR com silagem de milho de corte curto e palha. As rações diferiram apenas no comprimento do corte da silagem de milho, na adição de palha e no balanço isoenergético com triticale, centeio e milho em grão. Os teores de energia e nutrientes entre as rações de teste e de controle sempre estiveram em um nível semelhante.

A ingestão de alimento foi registrada e documentada diariamente como um valor médio do grupo. Além disso, todos os animais foram pesados ​​no 64º dia com repetição no 176º dia do experimento. Bolus ruminais foram usados ​​para medir e registrar o pH ruminal de seis animais por grupo ao longo de 150 dias de teste. Além disso, o estrume foi lavado em dez datas para tirar conclusões sobre a digestibilidade das rações.

No abate, foram determinados e comparados finalmente o rendimento de carcaça, a tipificação e o acabamento de carcaça. A receita de carcaça resultante foi comparada com os custos de suplementação dos grupos de teste e controle. Foram levados em consideração custos mais altos de € 1,0 /t de MS (matéria seca) de forragem básica para a variante SHREDLAGE®, que, além dos equipamentos do CLAAS JAGUAR, também incluem o maior peso de compactação e maiores capacidades de transporte.

A avaliação de todos os dados levou, em resumo, aos seguintes resultados:

  • Com 224 kg MS / m3 e 216 kg MS / m3, as variantes de corte curto e SHREDLAGE® alcançaram quase a mesma compactação no silo sem diferenças significativas. Também na camada superior crítica, a compactação foi ao mesmo nível com 183 e respectivamente 181,9 kg MS / m3. Isso prova mais uma vez que a SHREDLAGE®, com o cuidado do uso de rolos de peso maior, pode ser tão bem compactada quanto a silagem de corte curto.
  • Os animais do grupo de silagem de corte curto consumiram em média 10,5 kg de MS por dia e os do grupo SHREDLAGE® consumiram 10,2 kg de MS de TMR.
  • Os pesos vivos no 64º dia de experimento foram quase 480 kg, comparáveis em ambos os grupos. No 176º dia de experimento, os animais do grupo SHREDLAGE® atingiram 648,6 kg, peso 7,4 kg inferior em comparação ao grupo de silagem de corte curto. A diferença não pôde ser assegurada estatisticamente. O ganho de peso diário nos primeiros 176 dias correspondeu a 1,55 kg nos animais que receberam silagem de corte curto, e nos animais SHREDLAGE® 1,51 kg e não se diferenciou significativamente..
  • Apesar do ganho de peso diário ligeiramente menor nos primeiros 176 dias dos animais SHREDLAGE®, aos 402,9 kg eles tinham um peso de carcaça cerca de 6 kg superior ao dos animais alimentados com silagem de corte curto. No entanto, a diferença não foi significativa. Na tipificação da carcaça, os animais do grupo SHREDLAGE® receberam em média R+, enquanto que os do grupo com silagem de corte curto receberam R a R+. No acabamento de carcaça, os animais SHREDLAGE® receberam 2+ uma classificação melhor, enquanto os animais de silagem de corte curto tenderam fortemente a uma classificação 3-. A tipificação do grupo SHREDLAGE®, portanto, tendeu a ser melhor e o acabamento der carcaça a ser significativamente mais adequado.
  • Na lavagem das fezes foram encontrados menos resíduos nas peneiras superior e intermediária na variante SHREDLAGE® do que com a variante de silagem de corte curto. A partir disso, pode-se concluir que ocorre uma melhor digestibilidade, apesar dos cortes mais longos.
  • No pH ao longo do dia, os animais SHREDLAGE® apresentaram um nível superior aos animais alimentados com silagem de corte curto, o que favoreceu a digestibilidade das fibras. Os valores de pH mais altos dos animais alimentados com SHREDLAGE® mostram o potencial de reduzir a incidência de acidose e, assim, melhorar a saúde do animal.
  • Na ração SHREDLAGE®, foi possível dispensar a palha para alimentação e, com isso, economizar no concentrado.
  • A avaliação monetária dos custos de ensilagem, custos de alimentação e carcaças resultou em um valor a maior  de cerca de 39 euros por animal a favor da variante SHREDLAGE®.